Escola Caminho do Sol experimenta Núcleo Avançado de Literatura Digital


Estar aberto ao novo é entender esta Geração Z, a primeira verdadeiramente nascida neste novo mundo tecnológico - geração da Internet.

Neste ano de 2015 o Caminho do Sol, em parceria com o Studio JPV, inaugurou um núcleo avançado de Literatura Digital. A escola se propõe a se adaptar a esta nova realidade, onde o mundo virtual ocupa um lugar de destaque na vida das crianças que nasceram neste novo milênio. Estamos falando da Gerações Y, Z e ALFA que não vieram apenas para aprender, vieram também para ensinar geração anteriores a entender o que é conectividade social.



Pensando nisto, criamos uma oficina de vídeo para trabalha a linguagem digital, utilizando como ferramentas o celular, a câmera digital, produção de vídeo, internet, compartilhamento e rede social.



As oficinas são ministradas pelo produtor cultural João Paulo Guimarães, especializado em novas mídias. Segundo ele, as Gerações Y, Z e ALFA já nasceram sabendo lidar com esta tecnologia digital, "o que estamos fazendo é potencializar na criança o uso consciente e criativo de produção de conteúdos."

Nos dois primeiros meses já foram produzidos três oficinas de vídeo: Na Sombra de Uma ÁrvoreO Convite, Que Cheiro é Este?

O acesso dessa nova geração à informação é totalmente diferente do que aconteceu com as anteriores. Consequentemente, o processo educacional também mudou, já que essas crianças estão cada vez mais ativas, independentes e adaptadas desde muito cedo às diferentes tecnologias.



Especialistas acreditam que crianças nascidas após 2010 são, de fato, mais evoluídas que as outras gerações. “Nosso cérebro está mudando, estamos ficando mais capazes”, comenta a psicóloga Fernanda Fúria. Essa mudança traz um desafio aos pais e aos professores: como educar uma geração que não se contenta apenas com os meios tradicionais de ensino e que exige um aprendizado mais dinâmico, acelerado e conectado às tendências tecnológicas?

Devemos convir que uma criança que desde cedo tem acesso a dispositivos como smartphones, tablets, câmeras fotográficas e videogames não se contentará em ter como método de estudos apenas uma sala de aula fechada, lápis e cadernos, não é mesmo?

A tendência é que, em um futuro não muito distante, o aprendizado seja customizado, com materiais apropriados de acordo com o perfil da criança e focado no que ela gosta, precisa e sabe fazer.